Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Arca de Darwin

"Look deep into nature, and then you will understand everything better", Albert Einstein

"Look deep into nature, and then you will understand everything better", Albert Einstein

Arca de Darwin

30
Mai22

Lobélia-brava (“Lobelia urens”)

Arca de Darwin

A Primavera está quase a dar lugar ao Verão. Nas zonas altas da Tapada de Mafra são já poucas as espécies de flores que dão cor à paisagem. Aqui e ali ainda se encontra uma outra dedaleira e algumas margaridas minúsculas. Mas há uma espécie que tinge de azul ou roxo as bermas dos caminhos e os pequenos prados: a lobélia-brava (Lobelia urens).

lobelia urens 1.jpg

 

 

19
Abr22

Toutinegra-de-cabeça-preta (“Sylvia melanocephala”)

Arca de Darwin

A toutinegra-de-cabeça-preta (Sylvia melanocephala) já apareceu por aqui em alguns posts (por exemplo, neste sobre a anilhagem científica e neste sobre as características desta espécie), mas não resisto a partilhar estas fotos que tirei no fim-de-semana passado e onde se pode ver toda a beleza (e atleticismo!) da espécie.

sylvia melanocephala 1.jpg

 

18
Abr22

A ameaçada garça-vermelha (“Ardea purpurea”)

Arca de Darwin

A garça-vermelha (Ardea purpurea), também conhecida por garça-imperial e garça-galega, passa os meses quentes no nosso país, vinda de África: chega em Março/Abril e parte em finais de Julho (os adultos) ou Setembro (os juvenis).

ardea purpurea 1.jpg

 

 

17
Abr22

“The Language of Flowers”, de Jaqueline de Montaigne

Arca de Darwin

O novo mural de Jacqueline de Montaigne (artista que já conhecemos daqui, daqui e daqui), intitulado “The Language of Flowers”, fica no Largo Hintze Ribeiro, em Lisboa, numa parede de 14 metros de altura bem em frente de outro mural também já nosso conhecido — da autoria de Frederico Draw & Ergo Bandits, realizado no âmbito da inauguração da Casa da Cultura de Cabo Verde.

the language of flowers 1.jpg

 

 

 

17
Abr22

Flores em Monsanto

Arca de Darwin

Há dois dias, aproveitei um passeio pelo Parque Florestal de Monsanto, em Lisboa, para fotografar algumas flores. Deste conjunto, as que neste momento são bastante abundantes e fáceis de encontrar são a orquídea Cephalanthera longifolia, o jacinto-das-searas e os maios-pequenos.

maios-pequenos 1.jpg

 

 

25
Fev22

Íbis-preta (“Plegadis falcinellus”) — uma ave recente em Portugal

Arca de Darwin

No guia de aves da FAPAS de 1993, a íbis-preta (Plegadis falcinellus) chama-se maçarico-preto e o seu mapa de distribuição não inclui Portugal, sendo o sul de Espanha a área mais próxima de presença da espécie (assinalada por uma pequena mancha amarela que indica “zona de migração”). De então para cá, e particularmente neste século, o panorama da espécie no nosso país alterou-se substancialmente: há locais onde a íbis-preta está presente todo o ano, outros onde passa o Inverno em bandos com dezenas, centenas ou até milhares de aves, e outros ainda onde se reproduz.

ibis-preta 1.jpg