Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Arca de Darwin

"Look deep into nature, and then you will understand everything better", Albert Einstein

"Look deep into nature, and then you will understand everything better", Albert Einstein

Arca de Darwin

05
Mai18

Amadora: a arte saiu à rua

Arca de Darwin

Junto à estação de metro Amadora-Este, pintados pelo artista Odeith, encontram-se 4 "gigantes" da cultura portuguesa: Zeca Afonso, Amália e Carlos Paredes (2016), e Fernando Pessoa (2017). Paredes parece tocar para Amália, enquanto Zeca observa sentado, e Pessoa caminha ao fundo, sozinho. As quatro peças inserem-se na iniciativa "Conversas na rua", da Câmara Municipal da Amadora, que procura combater o "estigma" associado à cidade.

04
Mai18

O carvalho de Portugal e o umbigo de Vénus

Arca de Darwin

O carvalho-cerquinho (Quercus faginea) de Fontelas, classificado como sendo de interesse público, é um dos destaques dessa Estação da Biodiversidade. As árvores de interesse público (a Arca já falou delas, por exemplo, aqui, aqui, aqui e aqui) têm estatuto de proteção semelhante ao do património edificado e distinguem-se pelo porte, desenho, idade, raridade, importância cultural ou histórica.No caso deste carvalho centenário, a autoridade florestal nacional salienta o "porte notável que dava sombra e frescura a um antigo tanque de lavagem de roupa e a um bebedouro de gado. O local constitui memória da vida tradicional saloia, muito utilizado pelos moradores de Fontelas". Este carvalho-cerquinho ‒ a espécie também é conhecida por carvalho-português ‒ tem 12,5 metros de altura e a copa tem um diâmetro de 20 metros (norte-sul) e 25 metros (este-oeste).

O painel que o acompanha refere que os ramos desta árvore "servem de substrato a diversas espécies: fetos, musgos, líquenes e também a plantas vasculares, como os umbigos-de-vénus".

O nome umbigo-de-vénus deve-se à forma das folhas, que são arredondadas, com uma depressão no centro.

Mas esta espécie, Umbilicus rupestris, tem muitos mais nomes comuns, como bacelos, bifes, cachilro, chapéus-de-parede, chapéus-dos-telhados, copilas, orelha-de-monge... Além de troncos de árvores, esta planta também cresce à sombra em muros, paredes e fendas rochosas. Pode atingir 30 centímetros de altura.

02
Mai18

Rede EBIO ‒ locais para descobrir a Biodiversidade

Arca de Darwin

As orquídeas do post anterior foram fotografadas na Estação da Biodiversidade de Fontelas, Loures, a única na região de Lisboa, que faz parte de uma rede com mais de 30 locais espalhados de norte a sul do país.Para conhecer a distribuição destas Estações visite a página na Internet do TAGIS ‒ Centro de Conservação das Borboletas de Portugal, consulte a página da Rede EBIO, e planeie uma visita à Estação que estiver mais próximo de sua casa, ou do local onde passa férias. Estas estações localizam-se em zonas de grande riqueza paisagística e específica, e são compostas por percursos com um máximo de 3 quilómetros (a de Fontelas tem 1 km), pontuados por 9 painéis interpretativos. Além do TAGIS, a iniciativa conta com a participação do Museu Nacional de História Natural, do Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais, e dos municípios onde as Estações estão localizadas. Quando estiver mais calor voltarei a Fontelas para observar mais insectos e a parte final do percurso (só vi o início, por falta de tempo, e por ter seguido o caminho errado - julgo que o pessoal do BTT "encerrou" o caminho certo...). Mas a curta visita já valeu a pena, tanto pelas largas dezenas de orquídeas que crescem nos prados, como pelo fantástico carvalho-cerquinho (árvore de interesse público que mostrarei num dos próximos posts) e por todas as outras plantas e paisagens existentes naquela área.

O já nosso conhecido jacinto-das-searas

A orquídea-piramidal

02
Mai18

Orquídea-piramidal ("Anacamptis pyramidalis")

Arca de Darwin

Estamos em plena época das orquídeas selvagens. A orquídea-piramidal (Anacamptis pyramidalis), também conhecida como satirião-menor, tem, como o nome indica, forma piramidal. Para orquídea, tem um tamanho considerável (principalmente em comparação com as do género Ophrys): pode chegar aos 60 centímetros de altura.A cor das flores, que são hermafroditas, varia entre o rosa e o roxo, mas também podem ser brancas.

A polinização é feita por borboletas e traças.

Esta planta da família Orchidaceae vive no centro e sul do país, em terrenos incultos com substrato calcário.

Pág. 2/2

Mais sobre mim

foto do autor

Siga-nos no Facebook

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D