Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Arca de Darwin

"Look deep into nature, and then you will understand everything better", Albert Einstein

"Look deep into nature, and then you will understand everything better", Albert Einstein

Arca de Darwin

16
Nov20

As cores das folhas no Outono

Arca de Darwin

A variedade de cores das folhas no Outono deve-se a diferentes pigmentos. Isto é particularmente evidente nos liquidâmbares (Liquidambar styraciflua) — árvore originária da América do Norte e América Central — cujas folhas, por esta altura, explodem numa profusão de cores intensas que vão desde o verde que traziam do Verão e da Primavera, ao roxo que assinala a última etapa da vida destas estruturas.

liquidambar 1.jpgEm algumas folhas são bens visíveis as diferentes cores e os tons intermédios.

liquidambar 4.jpg

As folhas verdes devem a sua cor à clorofila, o pigmento responsável pela fotossíntese. Nos meses de Primavera e de Verão, a clorofila transforma a luz solar e o dióxido de carbono em oxigénio e hidratos de carbono (açúcar), que servem de alimento à planta durante a fase de crescimento e de frutificação.

liquidambar 3.jpg

Como a clorofila é instável, tem de ser constantemente produzida pela planta, o que se torna inviável à medida que os dias ficam mais pequenos e a temperatura desce. É nesta fase que se começa a bloquear o acesso de água e nutrientes à folha.

Assim, chegado o Outono, a árvore entra num período de dormência e passa a viver da energia que armazenou nos meses anteriores. Na ausência da clorofila, outros dois tipos de pigmentos que já existiam nas folhas — e que são mais estáveis do que a clorofila — tornam-se visíveis: as xantófilas (amarelas, presentes, por exemplo, nas bananas) e os carotenos (cor de laranja, presentes, por exemplo, nas cenouras).

liquidambar 5.jpg

Quando o fim da linha se aproxima outra cor desponta, o vermelho e o roxo, mas neste caso o pigmento responsável — a antocianina, que também dá a cor vermelha às maçãs, morangos e arandos — não estava presente nos meses mais quentes, mas é agora sintetizado por via da acumulação de açúcares.

liquidambar 6.jpg

liquidambar 7.jpg

Finalmente surge o castanho, quando já só restam os taninos e a folha está quase morta.

liquidambar 8.jpg

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.