Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Arca de Darwin

"Look deep into nature, and then you will understand everything better", Albert Einstein

"Look deep into nature, and then you will understand everything better", Albert Einstein

Arca de Darwin

09
Out12

Cresmina - Vida na areia

Arca de Darwin
Junto à Praia do Guincho, do outro lado da estrada, a recuperada Duna da Cresmina revela-nos a biodiversidade adaptada a viver na areia.

“O corredor eólico dunar Cresmina-Oitavos é um sistema bastante particular pois as areias provenientes das praias do Guincho e da Cresmina retorna ao mar mais a Sul (entre os Oitavos e a Guia), após migrar sobre a plataforma rochosa aplanada do Cabo Raso”, lê-se nos cartazes colocados nas duas entradas - uma no Centro Interpretativo, junto à estrada da Areia, e outra no lado oposto, junto à praia do Guincho.

Dos coelhos só vi as latrinas, e da víbora-cornuda apenas o graffiti (há vários a assinalar a presença de diferentes espécies),

mas cruzei-me com várias aves (toutinegra-de-cabeça-preta, rola-comum, fuínha-dos-juncos, rabirruivo-preto, chasco-cinzento) e insectos, como a borboleta-cauda-de-andorinha e a lagarta da borboleta nocturna Brithys crini (família Noctuidae), típica de zonas dunares, que se alimenta de lírio-das-areias.

Brythis crini

Na Duna, que integra a Rede de Visitação e Interpretação do Parque Natural de Sintra-Cascais, realizaram-se vários trabalhos de conservação, como a construção de passadiços, a remoção de espécies exóticas invasoras (chorão, erva-das-pampas, acácia) e plantação de mais de 13.000 exemplares de espécies autóctones (estorno, pinheiro, tamargueira-rosada, aroeira, sanguinho-das-sebes ), construção de vedações que impedem a entrada de carros, implantação de paliçadas para diminuir a velocidade do vento que destrói a Duna. Isto porque, desde 2005, as areias avançaram cerca de 10 metros por ano.

A visita faz-se percorrendo os mais de 2 km de passadiços, estruturas que evitam a destruição deste ecossistema delicado. Ao longo do caminho placas identificativas das diferentes espécies de plantas, colocadas junto dos respectivos espécimens, servem de guia aos visitantes.

Cardo-marítimo (Eryngium maritimum)

Estorno (Ammophila arenaria)

Lírio-das-areias (Pancratium maritimum)

Sabina-das-praias (Juniperus turbinata)

Raiz-divina (Armeria welwitschii)

Há sempre quem não respeite o trabalho dos outros e o património de todos.