Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Arca de Darwin

"Look deep into nature, and then you will understand everything better", Albert Einstein

"Look deep into nature, and then you will understand everything better", Albert Einstein

Arca de Darwin

21
Jan13

Gigantes caídos

Arca de Darwin
Um morto, 21 feridos e 46 desalojados é o pior balanço da tempestade do fim-de-semana, e ainda há populações ainda sem água e sem electricidade. (Hoje o mau tempo continuou junto ao mar, com previsão de ondas de 7 metros, e seis distritos estão em alerta vermelho: Aveiro, Braga, Coimbra, Leiria, Porto e Viana do Castelo).Tudo por causa da chuva e, principalmente, do vento, da deslocação do ar. Não foi uma normal deslocação de ar, é certo. Os meteorologistas chamam-lhe “ciclogénese explosiva”, caracterizada por pressões muito baixas, capazes de provocar vento superior a 130 km/h e subida do nível médio do mar.

O efeito nas árvores está à vista um pouco por todo o país. Em Sintra, cerca de 2.000 árvores – algumas com mais de 100 anos – foram arrancadas do solo, fazendo desta borrasca “a maior catástrofe natural dos últimos 50 anos”.Ontem, em Benfica, sobre um manto de chuva intensa, o jardim Silva Porto era uma visão desoladora, quase fantasmagórica, . Por todo o lado árvores tombadas impediam a circulação nos caminhos atapetados por ramos e folhas.

Um imponente eucalipto destaca-se, solidamente vertical, na curva de um passeio. A imagem desta árvore amplifica o espanto de encontrar, alguns metros a baixo, uma criatura semelhante caída por terra. 

Junto a ele, uma pequena criatura resistiu ao temporal, lembrando-nos de que nem sempre sobrevivem os mais fortes, mas os mais bem adaptados, ou os mais sortudos, 

ou os que se agarram à vida com unhas e dentes. 

Os ramos derrubados são infeliz oportunidade para aceder a coisas habitualmente longe da vista: o interior de um ninho laboriosamente edificado; 

o debruado pormenor de um fungo arborícola. 

O interior de muitos troncos também está exposto à curiosidade humana. A madeira está completamente estraçalhada. Aqui, os anéis de crescimento que conhecemos de cortes limpos parecem uma impossibilidade.Incontáveis folhas, ramos e raminhos também estão fora do sítio, mas brilham ainda viçosos, polidos pela chuva persistente.Estranhamente, há algo fascinante nestes gigantes caídos. Será porque traduzem a força improvável do vento, que numa noite derruba o que demorou dezenas ou centenas de anos a crescer? Será pela diferente perspectiva que deles temos? Ou também haverá beleza na destruição?

Mais sobre mim

foto do autor

Siga-nos no Facebook

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D