Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Arca de Darwin

"Look deep into nature, and then you will understand everything better", Albert Einstein

"Look deep into nature, and then you will understand everything better", Albert Einstein

Arca de Darwin

26
Mar19

Malmequer e Margarida: qual a diferença?

Arca de Darwin

Todos já usámos as palavras "malmequer" e "margarida" e, quando éramos crianças, provavelmente arrancámos as pétalas de uma flor enquanto jogávamos ao "Bem me quer... mal me quer". Mas será que sabemos a diferença entre as duas flores? Existirão diferenças? Serão flores?

Tanto o malmequer como a margarida pertencem à ordem Asterales e à família Asteraceae, que são chamadas de plantas compostas: a flor típica que sempre desenhámos, com um disco central e pétalas na periferia. Ora, na verdade, a "flor" não é uma flor mas uma inflorescência: o "centro" é formado por inúmeras flores tubulosas e as "pétalas" não são verdadeiras pétalas, mas sim flores com um prolongamento de um dos lados (a que se chama lígula). Este tipo de inflorescência (flores agrupadas sobre um receptáculo) tem o nome de capítulo.

Antes de avançar para a distinção entre as duas "flores" convém ter presente que os nomes comuns não têm significado "biológico". Pensemos na última orquídea aqui apresentada, a Cephalanthera longifolia, que não tem nome comum em português, e na espécie Tropaeolum majus, que é conhecida por chaga, capuchinha, cinco-chagas, nastúrcio, agrião-do-méxico, flor-de-sangue e mastruço. Sendo certo que ambas existem, o que as identifica em qualquer parte do mundo é o nome científico (que, para isso, é escrito numa língua morta). Ou então pensemos no jogo referido anteriormente e que em Portugal chama-se "Bem me quer... mal me quer", mas cuja versão original — a francesa — dá pelo nome de "Effeuiller la marguerite", que é como quem diz, "Desfolhar a margarida".

Então, qual a diferença entre as duas asteráceas? A resposta mais simples que muitos peritos darão é que, em geral, as margaridas são brancas e os malmequeres são amarelos. Não sei até que ponto a diferença de nomes estará relacionada com o uso de flores em efemérides. (Como os "malmequeres" (Chrysanthemum sp.), ou crisântemos, foram sendo associados ao Dia de Finados, as "margaridas" terão ficado para outras datas mais alegres).

Mas a distinção pela cor talvez tenha que ver com a própria palavra Chrysanthemum, que significa "flor-sol" ou "cor de ouro". Estas flores já eram cultivadas na China no século XV a.C. O selo imperial do Japão, adoptado em 1183, é um crisântemo amarelo.

A associação entre o género Chrysanthemum e o nome comum malmequer parece promissora. De facto, quando pesquisamos "malmequer" no diccionário online da Porto Editora, aparece a espécie Chrysanthemum coronarium. Mas há dois problemas. O primeiro é que a definição refere: 1 — "designação comum, extensiva a diferentes plantas da família das Compostas, que se destacam pelas flores delicadas, geralmente de centro amarelo e corola branca, que inclui espécies também conhecidas por bem-me-quer, margarida, etc." 2 — "... Chrysanthemum coronarium (...) com flores amarelas ou com base amarela e lígulas brancas." E a verdade é que o C. coronarium tanto pode ter lígulas brancas como amarelas.

No mesmo diccionário, "margarida" é: 1 — "designação comum, extensiva a diferentes plantas da família das Compostas, que se destacam pelas inflorescências, geralmente com recetáculo amarelo e pétalas brancas ou coloridas, sendo também conhecidas por bem-me-quer, bonina, malmequer, etc.; margarita." 2 — "(Bellis perennis) planta herbácea, da família das Compostas, espontânea em Portugal, tem folhas de margens serreadas e capítulos de flores liguladas, brancas, vermelhas ou variegadas."

Bellis perennis é a espécie tipo do género Bellis, que em Portugal tem quatro espécies. E se pesquisarmos "margarida" no site Flora On (da Sociedade Portuguesa de Botânica), aparecem as quatro espécies. O nome comum inglês da Bellis perennis é Daisy (vem de "day's eye"), que traduzido para português é margarida.

Apesar de alguns percalços, como a dualidade cromática do C. coronarium, podemos dizer que os malmequeres são amarelos e pertencem ao género Chrysanthemum, e que as margaridas são brancas e pertencem ao género Bellis.

O problema é que se pesquisarmos "malmequer" no Flora On aparecem 33 espécies de 16 géneros diferentes: umas brancas, outras amarelas; umas raras, outras comuns; umas nativas, outras exóticas; umas com flores liguladas, outras sem; umas conhecidas por malmequer, outras por margarida.