Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Arca de Darwin

"Look deep into nature, and then you will understand everything better", Albert Einstein

"Look deep into nature, and then you will understand everything better", Albert Einstein

Arca de Darwin

08
Abr13

Mês do chapim-azul na Gulbenkian

Arca de Darwin
“As cidades são óptimo ponto de partida para conhecer a biodiversidade nacional. Jardins, ribeiras e ruas arborizadas albergam fauna e flora muito mais ricas do que se imagina. Basta olhar com um pouco mais de atenção”, lê-se na apresentação da Arca de Darwin. Uma das formas de promover e facilitar a observação da Natureza é a afixação de cartazes que informem sobre as espécies e biótopos de um determinado local, como acontece, por exemplo, na Duna da Cresmina ou na Rota do Almonda.

Chapim-azul (Parus caeruleus), R. Prof. Mark Athias, Telheiras (Lisboa)

Por isso, é com agrado que registo a iniciativa da Fundação Calouste Gulbenkian que, com o apoio científico da Fundação Luis de Molina e da Universidade de Évora, colocou nos seus jardins placas que convidam os visitantes a descobrir o chapim-azul (Parus caeruleus), pássaro residente e comum nas cidades.

Cartaz no jardim da Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa

Pelo subtítulo “Um mês... uma ave / Abril” depreendo que em cada mês apresentarão uma ave diferente, substituindo as placas anteriores (não encontrei placas referentes a outras aves). O que é pena. A ideia de alternadamente destacar uma espécie é interessante, até porque a composição da avifauna do jardim varia ao longo do ano, por exemplo, com a chegada e partida das aves invernantes. Mas falta um cartaz que mostre as espécies mais comuns e/ou abundantes, de maneira a garantir uma experiência positiva ao visitante que procure, e não encontre, a ave do mês nas copas das árvores e nos arbustos (se tal cartaz existir, retiro desde já o reparo à iniciativa).

Chapim-azul, em Telheiras

Por exemplo, só vi estas placas na sexta-feira, dia em que não encontrei o chapim-azul (ao contrário de outras ocasiões), mas em que vi os incontornáveis melros e patos-reais, mas também carriças e piscos-de-peito-ruivo.