Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Arca de Darwin

"Look deep into nature, and then you will understand everything better", Albert Einstein

"Look deep into nature, and then you will understand everything better", Albert Einstein

Arca de Darwin

10
Dez18

O exótico pato-mudo ("Cairina moschata")

Arca de Darwin

É feiinho, e inconsistente: quase que parece que não existem dois indivíduos iguais. Pertence à espécie Cairina moschata e tem vários nomes-comuns: pato-mudo, pato-crioulo, pato-argentino, pato-selvagem, pato-do-mato...

É um frequentador habitual de parques e ribeiras. Em Odivelas, por exemplo, encontram-se alguns espécimes na ribeira do jardim Rio da Costa, provavelmente provenientes de um dos quintais adjacentes.

Não encontrará o pato-mudo nos guias de aves mais conhecidos, dado que se trata de uma espécie exótica e domesticada. Este bicho, oriundo da América Latina, já era domesticado muito antes da chegada dos europeus ao Novo Mundo, e é o ancestral dos patos domésticos desse continente.

Diz que a carne é mais saborosa e macia do que a dos outros patos domésticos: os descendentes do nosso pato-real (Anas platyrhyncos). Outra vantagem desta espécie é, tal como o nome indica, o silêncio: o pato-mudo raramente grasna (só em situações de grande stress), pelo que é um vizinho bem mais atencioso.

Tantos séculos de domesticação explicam a inconsistência do aspecto do pato-mudo: verrugas vermelhas em torno dos olhos de dimensões variáveis; plumagens que variam entre o quase todo preto e o branco (a variedade branca foi seleccionada por ter uma carne visualmente mais apelativa).

Os machos medem cerca de 86 cm e pesam entre 4,5 e 6,8 kg. As fêmeas são mais pequenas: 64 cm e entre 2,7 e 3,6 kg.

Os 3 patos nestas fotografias andavam a passear na Lagoa Azul, em Sintra.