Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Arca de Darwin

"Look deep into nature, and then you will understand everything better", Albert Einstein

"Look deep into nature, and then you will understand everything better", Albert Einstein

Arca de Darwin

18
Jul18

Ganso-do-egipto: cada vez mais abundante

Arca de Darwin

O ganso-do-egipto (Alopochen aegyptiacus) já teve direito a vários posts na Arca (descrição da espécie: aqui; reprodução e crias: aqui e aqui; posts convidados: aqui e aqui). Este mês voltei a encontrá-lo. Em Lisboa já os vi na Quinta das Conchas, Gulbenkian, Jardim Zoológico e Jardim Botânico Tropical

Ganso-do-egipto, Lisboa, Julho de 2018

É possível que alguns exemplares sejam visitantes ocasionais, mas o mais provável é que a maioria dos que entretanto estabeleceram-se (e reproduziram-se) de norte a sul do país tenham tido origem em aves que fugiram do cativeiro.

Distribuição do ganso-do-egipto na Península Ibérica. Dados referentes aos últimos 10 anos. Imagem retirada do site e-bird.

03
Abr13

Gansos-do-Egipto reproduziram-se

Arca de Darwin
Em dia de aniversário da Arca comunico outro nascimento: o da cria do casal de gansos-do-Egipto (Alopochen aegyptiacus) da Quinta das Conchas, em Lisboa. O bebé já está crescidote, mas só o vi ontem.

Cria de ganso-do-Egipto (Alopochen aegyptiacus), Parque das Conchas, Lisboa

Distingue-se facilmente dos pais pelo menor tamanho, ausência das olheiras à irmãos Metralha, e penas emaranhadas.

Os pais têm-no sempre debaixo de olho e estão bastante mais agressivos para os patos-reais e pombos que por ali andam.

O pequenito lá vai explorando o mundo à sua volta, fazendo uma sesta aqui e ali, para logo voltar a depenicar o chão ou travar conhecimento com os outros habitantes do lago.

29
Mai12

O raro Ganso-do-Egipto

Arca de Darwin

Há aves que não fazem parte da nossa fauna, mas que ocasionalmente visitam o país. É o caso deste casal de gansos-do-Egipto (Alopochen aegyptiacus), que “aterrou” há pouco mais de uma semana no lago do jardim da Gulbenkian, em Lisboa, e cujo olho sombreado faz as delícias das muitas crianças que visitam a Fundação.

 Esta espécie, também presente no Parque das Conchas, no Lumiar, é comum a Sul do Saara e no Vale do Nilo, foi introduzida no Reino Unido durante o século XVII, e já colonizou países como a Bélgica e a Alemanha.

A plumagem dos machos é idêntica à das fêmeas.

Mais sobre mim

foto do autor

Siga-nos no Facebook

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D