Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Arca de Darwin

"Look deep into nature, and then you will understand everything better", Albert Einstein

"Look deep into nature, and then you will understand everything better", Albert Einstein

Arca de Darwin

22
Fev20

Periquito-de-colar versão AZUL

Arca de Darwin

Ao longo dos últimos 40 anos o periquito-de-colar (Psittacula krameri) tornou-se uma espécie comum nos parques e jardins de Lisboa e os alfacinhas já se habituaram à presença desta barulhenta espécie exótica de plumagem verde e bico vermelho.

Aqui na Arca também já falámos do periquitão-de-cabeça-azul (Aratinga acuticaudata), outra espécie exótica que também vive em liberdade em Lisboa, e que também o corpo verde, mas é ligeiramente mais pequeno e tem a cabeça azul. Anteontem, quando estava perto da janela da sala, fui surpreendido pelo chamamento estridente típico do periquito-de-colar.

Eles costumam passar por aqui a voar, mas o mais perto que os vi pousar foi a algumas dezenas de metro, num eucalipto. Desta vez, o som indicava que o animal estava muito próximo. De facto, estava mesmo ao lado na janela do vizinho, pousado na caixa do estore. Para minha surpresa, o bicho era igual a um periquito-de-colar, mas era azul.

Pelo que entretanto li, há várias mutações que ocorrem no Psittacula krameri (veja-as aqui) e que produzem uma gama muito variada de cores, surgindo indivíduos azuis, mas também completamente amarelos e até albinos. (Este indivíduo tem uma anilha e talvez tenha fugido de uma gaiola.)

 

04
Dez19

Bico-de-lacre ("Estrilda astrild") no Parque das Nações

Arca de Darwin

O bico-de-lacre (Estrilda astrild) é a ave exótica naturalizada mais abundante em Portugal. A sua introdução no país remonta a 1964, quando exemplares da espécie que é originária de África foram libertados em Oeiras, Óbidos e Vila Franca de Xira.

Apesar do tamanho diminuto (mede apenas 11 cm), este pássaro é fácil de observar pois forma bandos com algumas dezenas de indivíduos. O característico bico vermelho e a máscara da mesma cor sobressaem entre as cores pardas das ervas e dos caniços.

Os primeiros bandos que vi foi na Ria Formosa, na longínqua década de 90, e de então para cá encontrei-os em locais como a Lagoa da Estacada (Sesimbra), as Salinas do Samouco ou o Parque do Tejo (Parque das Nações/Lisboa). Em Portugal, a espécie, tanto quanto sei, só não ocorre em algumas zonas da Beira Alta e de Trás-os-Montes.

Tem duas posturas por ano: Fevereiro a Julho e Setembro a Novembro. Geralmente põe 4 a 6 ovos e o período de incubação é de 10 a 12 dias.

 

18
Ago19

Chapim-rabilongo ("Aegithalos caudatus")

Arca de Darwin

No campismo do festival Tradidanças, o amanhecer faz-se ao som de pequenos grupos de chapins-rabilongos (Aegithalos caudatus), que freneticamente percorrem os pinheiros e carvalhos da escola profissional de Carvalhais em busca de insectos, frutos e sementes.

Este pequeno pássaro de cerca de 14 centímetros é por vezes descrito como uma bolinha de algodão com uma cauda enorme (entre 7 e 9 cm). A face e o barrete são claros, e o bico é preto e pequeno (menor que os bicos dos outros chapins).

26
Jul19

Poupa ("Upupa epops") — Parque da Paz, Almada

Arca de Darwin

A poupa (Upupa epops) é uma das aves mais bonitas da nossa fauna. E é inconfundível, com asas pretas e brancas, pescoço e cabeça alaranjada (mais pálidos nas fêmeas), e uma poupa que abre em leque (ainda não foi desta que consegui fotografar um espécime com a poupa aberta). No Parque da Paz, em Almada, é fácil observá-la.

Outra característica distintiva é o seu canto: um rápido pu pu pu, repetido várias vezes.

A poupa alimenta-se de insectos e de larvas que captura no solo com o seu enorme bico curvo.

O bico forte é uma das características da ordem a que pertence — os coraciiformes — e que contém mais três espécies também elas muito bonitas: abelharuco, rolieiro, guarda-rios. Além do bico, a ordem também é caracterizada pelas cores vivas e pelos pés sindáctilos (dedos total ou parcialmente unidos). De resto, as 4 espécies são muito diferentes e cada uma tem a sua própria família e ecologia: por exemplo, o guarda-rios alimenta-se de peixe, o rolieiro caça insectos e répteis, o aberalhuco come... abelhas.

Existe em todo o país.

Mede cerca de 27 centímetros.

25
Jul19

O poliândrico maçarico-das-rochas ("Actitis hypoleucos") - Parque da Paz, Almada

Arca de Darwin

No lago da EBIO do Parque da Paz, entre os inúmeros gansos, patos e pombos, há espécies mais tímidas e de dimensões mais reduzidas, como o mergulhão-pequeno (Tachibaptis ruficolis) e o maçarico-das-rochas (Actitis hypoleucos). Este último é pouco maior que um pardal (mede 20 cm contra os 14 cm do pardal), é uma espécie ameaçada com estatuto de conservação de Vulnerável, e tem um sistema de acasalamento também ele raro: é poliândrico, ou seja, cada fêmea tem vários machos, como já referimos aqui.

25
Jul19

Ganso-de-magalhães ("Chloephaga picta") no Parque da Paz, Almada

Arca de Darwin

A Estação de Biodiversidade (EBIO) do Parque da Paz, Almada, foi inaugurada este ano, em Abril. Entre as muitas espécies de aves que habitam o lago do parque há uma que se destaca pela sua raridade. Na verdade, é uma espécie exótica que em Portugal, tanto quanto sei, existe apenas no Parque da Paz. Trata-se do ganso-de-magalhães (Chloephaga picta), anseriforme oriundo do Chile e da Argentina.

Certo é que a espécie dá-se bem com os ares de Almada onde assentou arraiais há pelo menos 10 anos, e onde se tem reproduzido.

O dimorfismo sexual é evidente: os machos são brancos e pretos; as fêmeas são castanhas e pretas.

 

Mede entre 60 e 72 cm e pesa entre 2,7 e 3,2 kg.

 

23
Abr19

Verdilhão ("Carduelis chloris")

Arca de Darwin

O verdilhão-comum (Carduelis chloris) é um pássaro muito comum nos parques e jardins urbanos. Já aqui falámos dele, mas com estas fotos é mais fácil identificar a espécie, e compará-la com as outras do género Carduelis: o pintassilgo (Carduelis carduelis), o pintarroxo (Carduelis canabina) e o lugre ou pintassilgo-verde (Carduelis spinus).

Verdilhão-comum (Carduelis chloris), Jardim Rio da Costa, Odivelas

18
Mar19

Gralha-preta ("Corvus corone")

Arca de Darwin

A razão para vermos tantas gralhas-pretas (Corvus corone) junto às estradas é que estes animais alimentam-se de carniça, ou seja, dos animais atropelados. Também caçam animais pequenos (insectos, ratos, répteis, caracóis...) e ingerem grãos e bagas. Tal como os restantes corvídeos, as gralhas-pretas são muito inteligentes — comparáveis aos grandes símios como os chimpanzés — e resolvem problemas usando ferramentas mentais como a imaginação e a previsão de eventos futuros.

Esta espécie vive até 20 anos e mede cerca de 46 centímetros. Na imagem em baixo parece ter o olho "embaciado". Na verdade, é a membrana nictitante (ou terceira pálpebra) que está "a passar", e que serve para proteger e limpar o globo ocular.

12
Mar19

Cabo Espichel — biodiversidade à volta do Santuário

Arca de Darwin

Ontem passei pelo Cabo Espichel, Sesimbra, e percorri o perímetro do Santuário de Nossa Senhora da Pedra Mua. Perante a paisagem agreste, dominada pelo vento e pela imensidão do mar, podemos pensar que ali, num raio de 20 metros do Santuário, haverá pouca biodiversidade. Pelo contrário.

No post sobre o sardão (Lacerta lepida), os dois animais que fotografei em São Pedro do Sul eram, como referi, pequenitos. Este exemplar que estava ontem no Cabo Espichel era já adulto, e bem grande.

Outra novidade para esta área foi quase ter conseguido fotografar um falcão-peregrino (Falco peregrinus). Fica para a próxima.

Houve outras aves que pousaram para a fotografia (cartaxos, escrevedeiras-de-garganta-preta, trigueirão), outras que só vi por breves instantes (rabirruivos, pintassilgos, estorninhos, cotovias), e outras que não chegaram a aparecer (por exemplo, o mocho-galego).

Borboletas, nem vê-las. Orquídeas, duas espécies (o que é habitual, pois aparecem em sucessão) mas muito pouco abundantes: moscardo-fusco (Ophrys fusca) e orquídea-homens-nus (Orchis italica). Já os maios-pequenos (Gynandriris sisyrinchium) e as campainhas-amarelas (Narcissus bulbocodium) atapetam o chão.