Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Arca de Darwin

"Look deep into nature, and then you will understand everything better", Albert Einstein

"Look deep into nature, and then you will understand everything better", Albert Einstein

Arca de Darwin

05
Fev19

Mais aves da Gulbenkian

Arca de Darwin

Ainda a propósito da última passagem pelo jardim da Gulbenkian, há mais quatro espécies (das muitas que por lá andam, por exemplo, o goraz) que quero destacar: a estrelinha-de-cabeça-listada (Regulus ignicapillus), porque é a primeira vez que consegui fotografar (mal, mas consegui) este bicho que mede uns impressionantes 9 centímetros; o corvo-marinho-de-faces-brancas (Phalacrocorax carbo), porque não é assim tão comum vê-lo no centro da cidade; o melro-preto (Turdus merula), porque a foto lembrou-me uma pintura japonesa (não sei bem porquê); e a alvéola-branca (Motacilla alba), porque as fotos ficaram bonitas.

Melro-comum

Corvo-marinho-de-faces-brancas

 

Estrelinha-de-cabeça-listada

 

Alvéola-branca

29
Abr14

O corvo-marinho pequeno e malhado

Arca de Darwin

Em Portugal há 2 espécies de corvos-marinhos. Uma delas, o corvo-marinho-de-faces-brancas, é uma das seis espécies deste tipo de aves existentes na Austrália, mas ainda não o encontrei por cá. Já o corvo-marinho-malhado-pequeno (Microcarbo melanoleucos) - little pied cormorant - é fácil de observar na costa ou em qualquer lago com tamanho razoável.

[caption id="attachment_8560" align="aligncenter" width="800"]microcarbo melanoleucos 1 (800x533) Busselton[/caption]

O nome científico é um bocadinho exagerado, já que este animal mede entre 55 e 60 centímetros de comprimento, 84 a 90 centímetros de envergadura, e pesa entre 490 e 900 gramas.

[caption id="attachment_8561" align="aligncenter" width="800"]Perth Perth[/caption]

No entanto, percebe-se a intenção de quem o baptizou, já que existe uma versão igual mas "ampliada" deste bichinho: o corvo-marinho-malhado (pied cormorant), baptizado de Phalacrocorax varius.

microcarbo melanoleucos 3 (533x800)

Os peixes e os crustáceos que captura no fundo do mar ou dos lagos compõem a base da sua dieta, que também inclui insectos e anfíbios.

microcarbo melanoleucos 4 (800x533) microcarbo melanoleucos 5 (533x800) microcarbo melanoleucos 6 (533x800) microcarbo melanoleucos 7 (800x521) microcarbo melanoleucos 8 (800x533)

Durante a maior parte do ano os corvos-marinhos-pequenos-e-malhados são animais solitários, mas na época de reprodução juntam-se em colónias.

microcarbo melanoleucos 9 (800x533) microcarbo melanoleucos a 10 (540x800) microcarbo melanoleucos a 11 (800x533)

22
Jan13

Corvo-marinho-de-faces-brancas

Arca de Darwin
Em praias ou em zonas urbanas costeiras, em estuários ou em águas interiores, é fácil observar o corvo-marinho-de-faces-brancas (Phalacrocorax carbo), e em qualquer altura do ano, ainda que seja mais abundante no Outono e no Inverno. A plumagem é preta, com uma mancha branca nas bochechas (tal como o nome indicia). No entanto, no início da Primavera despontam manchas brancas no pescoço, cabeça e coxa dos adultos reprodutores. Os olhos são verdes. 

Corvo-marinho-de-faces-brancas. Parque das Nações, Lisboa.

Alimenta-se de peixes, mas ocasionalmente consome caranguejos, rãs, patos juvenis e ratazanas. Depois de caçar é frequente observá-la em terra, com as asas abertas expostas ao sol, para secar as penas. Mede cerca de 90 centímetros de comprimento e 145 centímetros de envergadura.

Praia de São Rafael, Algarve.

Esta ave da ordem dos pelicanos (Pelicaniformes) vive em colónias. A nossa subespécie (P. c. sinensis) constrói ninhos em árvores. Estas, ao fim de alguns anos, morrem devido à acumulação dos corrosivos dejectos – o chamado guano, que se usa como fertilizante.

Colónia num pilar da ponte Vasco da Gama, Lisboa.

Está presente nos cinco continentes. No passado caçaram-no quase até à extinção por competir com os pescadores. A protecção legal e a proliferação de aquaculturas reverteram a tendência populacional da espécie, mas o conflito com os humanos ainda existe. Por exemplo, um relatório de 2002 referia que na Noruega, todos os anos, abatiam-se legalmente cerca de 10.000 corvos-marinhos-de-faces-brancas.

Foz do Trancão, Lisboa.

Por cá o Instituto de Conservação da Natureza também considera a caça (ilegal) como uma ameaça à espécie, e acrescenta outros factores, como a poluição da água, a perturbação causada pelo homem, a colisão com linhas aéreas de transporte de energia e a instalação de parques eólicos.

Alcochete.

Adulto reprodutor. Praia de São Rafael, Algarve.

Dois adultos reprodutores.