Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Arca de Darwin

"Look deep into nature, and then you will understand everything better", Albert Einstein

"Look deep into nature, and then you will understand everything better", Albert Einstein

Arca de Darwin

06
Ago19

Doninha ("Mustela nivalis") nos Moinhos do Pisão

Arca de Darwin

No sábado, com a serra da Arada ainda coberta pela neblina matinal, saí do recinto do Tradidanças e fui até ao Pisão que fica ali ao lado, a menos de 1 km. Parei junto a um dos moinhos, onde há 1 ano fotografara uma rã-ibérica durante uma das Viagens de Tradição e Natureza organizadas pelo festival. Ainda nem tinha retirado a máquina fotográfica da mochila quando uma doninha (Mustela nivalis) surgiu entre as ervas e parou a cerca de 2 metros de mim.

Irrequieta, mas nada incomodada com a minha presença, perscrutou o solo em volta como quem faz uma ronda, e logo desapareceu entre as ervas tão rápido quanto surgira.

É sempre bom passear pela Natureza, mas é ainda melhor quando se tem a sorte de encontrar um animal como este. Não é que a doninha seja uma espécie rara ou até ameaçada, mas claro que não é tão abundante quanto, por exemplo, a gaivota-cinzenta, e não é fácil de observar quer pelo seu comportamento quer pelo seu tamanho. De facto, a doninha é o mamífero carnívoro mais pequeno da Europa: as fêmeas medem entre 16 e 19 centímetros e pesam entre 40 e 90 gramas; os machos medem entre 18 e 27 centímetros e pesam entre 70 e 170 gramas.

A pelagem é castanha-avermelhada no dorso e branca no ventre. Pode ser confundida com o arminho (Mustela erminea), mas este é maior (30 a 40 cm), tem a ponta da cauda preta, e a linha entre o castanho do dorso e o branco do ventre é direita (e não irregular, como a da doninha).

A doninha alimenta-se de roedores e de coelhos que caça à noite e também durante o dia. Vive em zonas com campos agrícolas (onde existem os ratos de que se alimenta) e com muros e sebes (servem de abrigo e protecção).

05
Ago19

Poços do Rio Teixeira

Arca de Darwin

Durante o festival Tradidanças (Carvalhais, São Pedro do Sul) aproveito sempre para dar um mergulho num dos muitos poços — piscinas naturais — da região. Já aqui falei do Poço Azul, e em breve falarei do Poço Negro. Mas este post é sobre os Poços do Rio Teixeira, que bem podiam ser chamados de Poço Verde.

Nestes poços, para onde quer que se olhe, vê-se verde. Até o céu está escondido pela copa das árvores, já que o rio corre bem encaixado entre duas encostas. Apesar da sombra, a água até não estava muito fria.

Este é o poço mais acessível de todos os que visitei; fica mesmo junto à estrada. Uma braçada para esquerda e estamos em Aveiro; uma braçada para a direita e estamos em Viseu.

Para saber mais sobre este rio — os seus poços, cascatas, biodiversidade... ― visite, por exemplo, o site da Rota da Água e da Pedra.