Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Arca de Darwin

"Look deep into nature, and then you will understand everything better", Albert Einstein

"Look deep into nature, and then you will understand everything better", Albert Einstein

Arca de Darwin

09
Dez14

Imperador Australiano e movimento de camuflagem

Arca de Darwin

Em 1995 surgiu um novo conceito biológico: o movimento de camuflagem. O que é? Imagine que um animal quer perseguir uma presa sem ser detectado. A solução é mover-se de tal maneira que a presa "pense" que ele está parado, ou seja, que a retina da presa registe sempre a mesma imagem do predador, como se ele fosse um objecto imóvel na paisagem (tendo como referência a presa e outros objectos na paisagem).

australian emperor 1 (1024x678)

É claro que, mesmo parecendo imóvel, a imagem do predador ficará maior à medida que se aproxima da presa.

australian emperor 2 (1024x692)

Mais tarde, em 2003, este artigo publicado na Nature demonstrava o sucesso das proezas aéreas da libélula conhecida por Imperador Australiano (Australian Emperor) - Hemianax papuensis - durante o seu movimento de camuflagem na defesa do seu território.

australian emperor 3 (1024x681)

O mais certo é que esta estratégia natural tenha aplicações militares (aliás, um dos autores do artigo da Nature pertence a uma Divisão de Sistemas de Armamento).

australian emperor 4 (1024x611)

O Imperador Australiano mede até 7 centímetros e é bastante territorial, defendendo áreas com cerca de 50 metros de comprimento.

australian emperor 5 (1024x683)

Machos e fêmeas são semelhantes. O tórax é esverdeado e o abdómen é amarelo e preto.

australian emperor 6 (1024x669)

A parte superior das asas é debruada a amarelo.

australian emperor 7 (1024x683) australian emperor 8 (1024x682)

 

28
Out14

Galinha-d'água: a nossa tem riscas, a deles não

Arca de Darwin

A galinha-d'água (Gallinula chloropus) é comum em Portugal. A versão australiana chama-se Dusky Moorhen (Gallinula tenebrosa). São muito parecidas, mas a plumagem desta última não tem as típicas riscas brancas nos flancos e é mais escura (daí o epíteto específico tenebrosa).

dusky moorhen 1

As patas são alaranjadas, e não esverdeadas como as da espécie portuguesa, e também têm bandas vermelhas acima das articulações.

dusky moorhen 2

Ambas medem cerca de 33 centímetros, têm crias parecidas, ocupam os mesmos habitats (pântanos, charcos, lagos, margens de rios, parques urbanos) e têm o mesmo comportamento de "galinha".

dusky moorhen 3 dusky moorhen 4 dusky moorhen 5

Na metade Sul da Austrália estamos em plena Primavera, altura em que a G. tenebrosa se reproduz.

dusky moorhen 6 dusky moorhen 7 dusky moorhen 8 dusky moorhen 9

Um aspecto curioso é que esta ave forma grupos de 2 a 7 elementos durante a época de reprodução. Várias fêmeas podem utilizar o mesmo ninho e todos os elementos do grupo incubam os ovos e cuidam das crias.

dusky moorhen a 10 dusky moorhen a 11 dusky moorhen a 12

20
Set14

Cromos repetidos (#4): GALEIRÃO - cidadão do mundo

Arca de Darwin

O galeirão (Fulica atra) já apareceu em alguns posts da Arca, mas nunca foi formalmente apresentado. Se já o viu - o que não é difícil, pois é uma ave bastante comum - por certo lembra-se das duas características que o tornam inconfundível: plumagem preta e bico e escudo frontal brancos.

galeirao 1

No Inverno juntam-se em bandos numerosos, num qualquer lago, estuário ou albufeira. As três imagens seguintes são do estuário do Tejo, em Alcochete, local onde vi a maior aglomeração de galeirões.

galeirao 2 galeirao 3 galeirao 4

Durante a época de reprodução tornam-se bastante agressivos e tanto o macho como a fêmea defendem o seu território.

galeirao 5

Na Austrália chamam-lhe Eurasian Coot, mas o nome não faz jus à adaptabilidade desta espécie, que existe em grande parte da Europa e também da Ásia, na Austrália e no Norte de África.

galeirao 6

A dieta omnívora explica parte desta plasticidade. De facto, o galeirão alimenta-se tanto em terra como na água (à superfície ou debaixo dela), consumindo algas, ervas, sementes, frutos e até ovos de outras aves.

galeirao 7 galeirao 8 galeirao a 10

galeirao 9

O escudo branco e luzidio originou a expressão "bald as a coot" (careca como um galeirão), usada pelos britânicos pelo menos desde 1430.

galeirao a 11 galeirao a 12

Mede 38 centímetros de comprimento.

galeirao a 13

27
Jul14

Pato com sardas (Stictonetta naevosa)

Arca de Darwin

É o pato mais raro da Austrália e é uma espécie protegida. O nome Freckled Duck - Pato-sardento - (Stictonetta naevosa) deve-o ao pintalgado branco e castanho-acinzentado da plumagem.

freckled duck 1

Além da perda de habitat (zonas húmidas permanentes), o sardento encontra-se em má situação devido à caça. Isto porque é presa fácil, já que quando perturbado teima em não abandonar o local onde vive, voando em círculos sobre esse habitat.

freckled duck 4

A identificação da espécie passa pela plumagem; pelo bico - ligeiramente curvado para cima; e pelo alto da cabeça - que em vez de ser redondo apresenta uma ligeira "crista".

freckled duck 8 freckled duck 9 freckled duck a 10

Os sexos são semelhantes, mas durante a época de reprodução os machos distinguem-se facilmente através da base do bico, que fica vermelha.

freckled duck 5 freckled duck 6

Constróem o ninho com galhos num local ao nível da água.

freckled duck 3

Mede cerca de 54 centímetros e pesa menos de 1 quilo.

freckled duck 7

14
Jul14

Corvo-marinho preto e pequeno

Arca de Darwin

É o corvo-marinho mais abundante de Perth. Dá pelo nome de Little Black Cormorant (corvo-marinho-preto-pequeno) - Phalacrocorax sulcirostris - e encontramo-lo facilmente em lagos de parques e jardins, ao longo do rio e em portos abrigados.

little black cormorant 1

Mede cerca de 62 centímetros, a plumagem é preta com reflexos esverdeados e os olhos são verde-azulados.

little black cormorant 5 little black cormorant 4 little black cormorant 3 little black cormorant 2

O prato preferido é o peixe, mas também consome crustáceos e insectos aquáticos.

little black cormorant 6 little black cormorant 7

Em voo, os bandos deslocam-se numa formação em forma de "V". Curiosamente, quando caçam, observamos o mesmo tipo de formação.

little black cormorant 8

little black cormorant 9 little black cormorant a 10

Como as penas não são impermeáveis costuma secá-las ao sol, de asas abertas, durante longos período de tempo.

little black cormorant a 11

Existe na Austrália e na Nova Zelândia.

little black cormorant a 12

26
Jun14

Garça-nocturna ("Nycticorax caledonicus") - prima direita do Goraz

Arca de Darwin

As semelhanças entre a garça-nocturna-australasiana (Nycticorax caledonicus) - Night Heron - e o nosso goraz (Nycticorax nycticorax) são evidentes: ambos medem 60 centímetros, têm aspecto atarracado e hábitos nocturnos, embora também tenham actividade durante o dia.

night heron 1

Os juvenis das duas espécies apresentam plumagem castanha com manchas e riscas brancas.

night heron 2 night heron 3

Os adultos são diferentes: o goraz tem olhos vermelhos e plumagem branca, cinzenta e preta; a garça-nocturna tem olhos amarelos e plumagem amarela e preta. Ambos têm um penacho composto por duas compridas penas brancas.

night heron 4 night heron 5

A ecologia das duas aves também é semelhante. Vivem em zonas húmidas arborizadas (nidificam em árvores), como margens de rios, parques e jardins, estuários e lagoas.

night heron 6

Mesmo habitat, mesma dieta: insectos, anfíbios, peixes e crustáceos.

night heron 7

O estatuto de conservação é bem diferente: o goraz está Em Perigo em Portugal, enquanto que a garça-nocturna goza de uma classificação de Pouco Preocupante.

night heron 8 night heron 9 night heron a 10

Esta garça existe em vários jardins de Perth, ainda que os juvenis sejam difíceis de observar, pois a sua plumagem confunde-se com a vegetação.

night heron a 11 night heron a 12 night heron a 13