Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Arca de Darwin

"Look deep into nature, and then you will understand everything better", Albert Einstein

"Look deep into nature, and then you will understand everything better", Albert Einstein

Arca de Darwin

31
Out21

Escaravelho cárabo-picotado (“Carabus rugosus”)

Arca de Darwin

Os élitros castanhos-acobreados do Carabus rugosos parecem ter sido minuciosamente martelados por um caldeireiro, e provavelmente é daí que vem o nome comum: cárabo-picotado.

Carabus rugosus 1.jpg

Carabus rugosus 2.jpg

O comprimento deste coleóptero varia entre uns impressionantes 27 e 31 milímetros.

Carabus rugosus 3.jpg

Carabus rugosus 4.jpg

A espécie está ativa durante todo o ano, mas é mais abundante na Primavera e no Inverno. Este exemplar foi fotografado há uns dias atrás enquanto chovia. A chuva parece ter despertado também muitos caracóis que, curiosamente, são uma das presas preferidas deste escaravelho. O processo de predação não é lá muito simpático. “(...) Fazem uma digestão externa pré-oral, colocando enzimas na presa e depois com o auxílio das sedas das suas mandibulas, ingerem os fluidos daí resultantes”, lê-se aqui.

Carabus rugosus 5.jpg

Carabus rugosus 6.jpg

 

26
Ago20

A mosca que imita vespas

Arca de Darwin

A mosca-grande-das-flores (Volucella zonaria) imita tanto o tamanho como o aspeto e o voo da vespa-europeia (Vespa crabro). Como as moscas são dípteros (ordem Díptera), só têm um par de asas, enquanto que as vespas (ordem Himenóptera) têm dois. As antenas da V. zonaria são muito mais pequenas do que as da V. crabro.

volucella zonaria 1.jpg

Os adultos voam entre Junho e Outubro.

volucella zonaria 2.jpg

As fêmeas põem os ovos em ninhos de vespas ou de abelhas onde as larvas crescem em comensalismo com os seus hospedeiros.

volucella zonaria 3.jpg

Vive em parques e jardins urbanos e em orlas de zonas florestadas.

volucella zonaria 4.jpg

Mede 2,5 cm de comprimento e 4 cm de envergadura.

volucella zonaria 5.jpg

 

04
Jul20

Escaravelho-dos-3-pontos

Arca de Darwin

O género Lachnaia tem várias espécies muito parecidas umas com as outras (não as consigo distinguir), conhecidas por escaravelho-das-flores, devido a gostarem de prados floridos, ou por escaravelho-dos-3-pontos, devido aos três pontos presentes em cada élitro, característica que aliás dá nome a uma das espécies: Lachnaia tristigma.

lachnaia 1 (683x1024).jpg

Medem entre 8 e 10 milímetros e a cor varia entre o laranja e o vermelho.

lachnaia 2.jpg

lachnaia 3 a.jpg

Estes coleópteros pertencem à família Chrysomelidae.

lachnaia 3.jpg

lachnaia 4.jpg

lachnaia 5.jpg

Voam entre Maio e Julho.

lachnaia 6.jpg

lachnaia 7.jpg

 

29
Jun20

O ameaçado Longicórnio ("Cerambyx cerdo")

Arca de Darwin

O escaravelho longicórnio (Cerambyx cerdo), também conhecido por capricórnio-das-quercínias, rosca e larva-da-madeira, é um dos maiores coleópteros da nossa fauna: o adulto mede entre 17 e 56 milímetros de comprimento e a lagarta chega a atingir entre 70 e 90 milímetros.

cerambyx cerdo 1.jpg

O exemplar que aparece neste post é uma fêmea, pois o último segmento das antenas é do mesmo tamanho que o segmento anterior (e o comprimento da antena é aproximadamente igual ao do corpo). Nos machos as antenas são muito maiores, e o último segmento é muito maior que o penúltimo.

cerambyx cerdo 2.jpg

Outra característica desta espécie é a coloração castanho-avermelhado da parte distal dos élitros.

cerambyx cerdo 3.jpg

Os adultos alimentam-se da seiva de feridas recentes e de frutos. Por isso, a espécie prefere áreas agroflorestais e gosta particularmente de carvalhos velhos, mas também de nogueiras, castanheiros, salgueiros, plátanos e freixos.

O desenvolvimento dura três anos. Entre Junho e Setembro, os ovos são depositados em feridas ou fendas de troncos ou ramos de árvores. As larvas passam então por cinco estádios larvares durante 31 meses, ao longo dos quais vão-se alimentando da madeira e escavando galerias — o que pode levar à morta da árvore, mas em geral alimentam-se de árvores já mortas ou velhas e doentes.

cerambyx cerdo 4.jpg

Existe no Norte de África, Europa e Ásia Menor. A nível global é uma espécie ameaçada devido à perda de habitat, e tem estatuto de Vulnerável (VU). Na Europa tem estatuto de Quase Ameaçado (NT — Near Threatened), mas é comum na região mediterrânica e por cá tem estatuto de Menos Preocupante (LC — Least Concern).

cerambyx cerdo 5.jpg

É uma espécie com hábitos crepusculares e nocturnos, mas na nossa latitude também pode ser observada durante o dia.

Pertence à família Cerambycidae.

cerambyx cerdo 6.jpg

 

27
Jun20

A colorida "Zygaena fausta"

Arca de Darwin

A borboleta Fausta (Zygaena fausta) é uma traça diurna muito bonita.

zygaena fausta-2.jpg

As cores preto, vermelho e branco anunciam aos potenciais predadores que ela sabe mal ou é venenosa (este aviso através das cores tem o nome de aposematismo).

zygaena fausta-5.jpg

Gosta de solos calcários em zonas rochosas na orla de florestas. Existe na parte ocidental da Europa.

As larvas alimentam-se de plantas do género Coronilla.

zygaena fausta-3.jpg

O género Zygaena tem várias espécies. A mais parecida com a Z. fausta talvez seja a Z. hilaris, mas o abdómen desta é totalmente preto, ao passo que na Z. fausta são evidentes os anéis vermelhos.

zygaena fausta-1.jpg

zygaena fausta-6.jpg

Voa de Maio a Outubro.

Pertence à família Zygaenidae.

16
Jun20

Borboleta-loba ("Maniola jurtina")

Arca de Darwin

A borboleta-loba (Maniola jurtina) mede 44 a 50 milímetros de envergadura.

maniola jurtina 1.jpg

A face inferior da asa anterior é laranja com borda acastanhada e tem um ocelo relativamente pequeno, que é ligeiramente maior na fêmea.

maniola jurtina 2.jpg

maniola jurtina 3.jpg

A face inferior da asa posterior é cinzento-acastanhada com uma mancha mais clara na extremidade, e pode ter alguns pontos pretos de tamanho variável.

maniola jurtina 5.jpg

maniola jurtina 6.jpg

maniola jurtina 7.jpg

Nos machos, a face superior das asas é castanho-escura, tem um ocelo preto e uma mancha androconial escura. Nas fêmeas, têm um padrão mais trabalhado, com várias partes cor de laranja.

Macho

maniola jurtina macho.jpg

Fêmea

maniola jurtina femea 1.jpg

maniola jurtina femea 2.jpg

 

É uma espécie comum em todo o país e vive em prados e terrenos incultos.

maniola jurtina 8.jpg

maniola jurtina 9.jpg

O adulto voa entre Março e Outubro.

Pertence à família Nymphalidae.

maniola jurtina 10.jpg

 

 

11
Jun20

Cenoura-brava ("Daucus carota")

Arca de Darwin

Há cenouras por todo o lado.

O género Daucus tem várias espécies de flores brancas que por esta altura podem ser facilmente observadas nas bermas da estrada ou em terrenos incultos (talvez já tenha visto uma, sem saber que se tratava de uma cenoura). Mas só uma dessas espécies é a verdadeira cenoura-brava, aquela que foi domesticada há 1100 anos no Afeganistão e na Ásia Central: a Daucus carota.

daucus carota 1.jpg

daucus carota 2.jpg

E esta espécie tem uma característica particular que a distingue das restantes. No centro da umbela — inflorescência em forma de chapéu-de-sol que contém entre 20 e 90 umbélulas, cada uma com 15 a 60 flores — geralmente cresce uma flor de cor púrpura que por isso se destaca de todas as outras.

daucus carota 3.jpg

daucus carota 4.jpg

A flor assemelha-se a um insecto e tem como objectivo encorajar insectos polinizadores a visitar a planta e a polinizá-la.

daucus carota 5.jpg

daucus carota 6.jpg

Esta flor extra já é visível na inflorescência jovem, que se distingue facilmente quer pelo tamanho quer por ser cor-de-rosa.

daucus carota 7.jpg

daucus carota 8.jpg

Curiosamente, as primeiras cenouras eram roxas ou amarelas. As cenouras cor de laranja surgiram apenas no século XVII.

daucus carota 9.jpg

daucus carota a 10.jpg

daucus carota a 11.jpg

daucus carota a 12.jpg

daucus carota a 13.jpg

daucus carota a 14.jpg

daucus carota a 15.jpg

 

10
Jun20

Castanhinha-dos-carvalhos ("Satyrium esculi")

Arca de Darwin

A castanhinha-dos-carvalhos (Satyrium esculi) é uma borboleta pequena —envergadura de 2,6 a 3,4 centímetros — da família Lycaenidae, que se distingue pela cor castanha, manchas cor de laranja por vezes rodeadas de preto e pequenos pontos/traços brancos que formam uma espécie de linha descontínua.

satyrium esculi 1.jpg

Tal como o nome comum indica, vive em bosques de carvalho e nas suas orlas (a lagarta alimenta-se de carrascos e azinheiras), mas também em prados floridos e encostas com arbustos.

satyrium esculi 2.jpg

Existe no Norte de África, Península Ibérica, França e Itália.

Voa de Abril a Agosto.

satyrium esculi 3.jpg

 

09
Jun20

Libélula-anelada ("Cordulegaster boltonii")

Arca de Darwin

A libélula-anelada (Cordulegaster boltonii) também é conhecida por bate-cús, suponho que devido à forma como a fêmea deposita os ovos na água. Na água, sob a forma larvar, a libélula-anelada passa 2 a 5 anos, durante os quais se alimenta de girinos, peixes pequenos e de outros insectos.

O macho tem um comprimento total de 74–80 milímetros e envergadura de 80–94 milímetros; a fêmea é maior: comprimento de 80–85 milímetros e envergadura de 90–102 milímetros.

libelula_anelada 1.jpg

A espécie distingue-se por ter olhos verdes, triângulo occipital amarelo (e não preto) e abdómen preto com duas riscas amarelas (uma grossa e outra fina) nos segmentos 2 a 8.

libelula_anelada 2.jpg

Vive junto a ribeiros e rios pequenos. Voa entre Maio e Agosto.

libelula_anelada 3.jpg

Pertence à ordem Odonata, sub-ordem Anisoptera e família Cordulegastridae.

libelula_anelada 4.jpg