Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Arca de Darwin

"Look deep into nature, and then you will understand everything better", Albert Einstein

"Look deep into nature, and then you will understand everything better", Albert Einstein

Arca de Darwin

22
Mai21

Os garranos não se medem aos palmos

Arca de Darwin

No final das actividades do Bioblitz aproveitei para fotografar os garranos que vivem na Tapada da Ajuda, em Lisboa. O garrano é uma das quatro raças portuguesas de cavalos (Equus caballus) — as outras são o lusitano, o sorraia e, desde 27 de Janeiro de 2014, o pónei da Terceira, nos Açores.

garrano 1.jpg

«Garrano» significa «cavalo pequeno de trabalho» e esta raça descende de um pónei celta primitivo.

garrano 2.jpg

No passado, o garrano era um animal usado no trabalho agrícola e que transportava pessoas e mercadorias. A sua robustez é evidente: o pescoço é curto e bem musculado, a garupa é forte e larga e os membros são curtos e fortes.

garrano 3.jpg

garrano 4.jpg

A raça tem ainda outras características identificativas: estatura pequena (altura no garrote inferior a 1,35 metros), perfil recto ou côncavo, cabeça fina e grande (principalmente nos machos), narinas largas, pelagem castanho-escura, crina e cauda pretas.

garrano 5.jpg

garrano 6.jpg

O habitat dos garranos são as serras do Minho e de Trás-os-Montes, onde são criados em semi-liberdade em grupos que em média têm 20 éguas e 1 garanhão. No Parque Nacional da Peneda-Gerês há um grupo de cavalos que vive de facto em total liberdade. Este resulta de uma manada de 21 animais que foram ali libertados em 1943 com o intuito de criar uma população de garranos selvagens.

garrano 12.jpg

garrano 13.jpg

Um censo realizado em 1938 contabilizou cerca de 40.000 exemplares em todo o país. Quase 60 anos mais tarde, em 1994, a União Europeia atribuiu à raça o estatuto de ameaçada porque existiam menos de 3.000 fêmeas reprodutores. Segundo a Associação de Criadores de Equinos da Raça Garrana (ACERG), actualmente existem «1563 fêmeas, 208 machos e 617». (Dados de 2020 da Sociedade de Recursos Genéticos Animais revelam valores mais baixos: «1474 fêmeas de linha pura, 162 machos, 435 criadores).

garrano 8.jpg

A maioria destas explorações situam-se no Norte, mas é possível encontrar garranos um pouco por todo o país — por exemplo, a sul de Lisboa há 31 criadores.

garrano 9.jpg

garrano 10.jpg

garrano 11.jpg

Há duas décadas, o efectivo populacional da espécie era semelhante ao actual. Na altura, a ACERG informava de que apenas 15% dos poldros por eles identificados «sobrevivem à venda para consumo de carne e à predação pelo lobo». De facto, uma vez por ano, os criadores reúnem as manadas selvagens e recolhem os poldros, cuja carne é muito apreciada. Por outro lado, em 2008, um representante da ACERG referiu que mais de 50% dos poldros são predados por lobos, apesar da bravura com que as manadas defendem as suas crias — quando os lobos atacam os adultos formam um circo com os mais jovens no interior e tentam afastar com os lobos com coices.

garrano 7.jpg

Nestas circunstâncias, qual será o futuro do garrano? Para a ACERG, o futuro passa por adaptar as aptidões dos garranos enquanto cavalos de sela e de tiro ligeiro aos tempos modernos, nomeadamente em actividades como hipismo, turismo, educação ambiental e terapia assistida por cavalos.

garrano 14.jpg

 

25
Jul12

A essência do Lobo - post convidado

Arca de Darwin

Texto e foto: Joaquim Pedro Ferreira, biólogo

Quando fotografas um animal como o lobo, o mais difícil é captar a sua essência, a personalidade no olhar. Nesta imagem a cria, apesar de ter o comportamento de animal jovem, tem já atitude de adulto.

A foto foi tirada em Espanha, na Serra da Culebra, num cercado de um enorme centro de recuperação e sensibilização ambiental. Os lobos reproduziram-se e as crias, ocasionalmente, já saíam da toca. Os animais estavam já algo habituados à presença humana e por isso a distância não foi um problema: fotografei a cerca de 60 metros. No entanto, estavam numa plantação recente de pinhal o que, além de obstruir a visão, criava alguma sombra. A cria da foto foi a única que não se escondeu ao sentir a nossa presença, e até avançou um pouco na nossa direcção, curiosa, com andar confiante. No futuro poderá ser um animal dominante. Esta foto também é importante porque combate uma certa imagem de terror que, por vezes, e erradamente, se associa aos lobos.