Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Arca de Darwin

"Look deep into nature, and then you will understand everything better", Albert Einstein

"Look deep into nature, and then you will understand everything better", Albert Einstein

Arca de Darwin

17
Abr22

Flores em Monsanto

Arca de Darwin

Há dois dias, aproveitei um passeio pelo Parque Florestal de Monsanto, em Lisboa, para fotografar algumas flores. Deste conjunto, as que neste momento são bastante abundantes e fáceis de encontrar são a orquídea Cephalanthera longifolia, o jacinto-das-searas e os maios-pequenos.

maios-pequenos 1.jpg

 

 

12
Mar19

Cabo Espichel — biodiversidade à volta do Santuário

Arca de Darwin

Ontem passei pelo Cabo Espichel, Sesimbra, e percorri o perímetro do Santuário de Nossa Senhora da Pedra Mua. Perante a paisagem agreste, dominada pelo vento e pela imensidão do mar, podemos pensar que ali, num raio de 20 metros do Santuário, haverá pouca biodiversidade. Pelo contrário.

No post sobre o sardão (Lacerta lepida), os dois animais que fotografei em São Pedro do Sul eram, como referi, pequenitos. Este exemplar que estava ontem no Cabo Espichel era já adulto, e bem grande.

Outra novidade para esta área foi quase ter conseguido fotografar um falcão-peregrino (Falco peregrinus). Fica para a próxima.

Houve outras aves que pousaram para a fotografia (cartaxos, escrevedeiras-de-garganta-preta, trigueirão), outras que só vi por breves instantes (rabirruivos, pintassilgos, estorninhos, cotovias), e outras que não chegaram a aparecer (por exemplo, o mocho-galego).

Borboletas, nem vê-las. Orquídeas, duas espécies (o que é habitual, pois aparecem em sucessão) mas muito pouco abundantes: moscardo-fusco (Ophrys fusca) e orquídea-homens-nus (Orchis italica). Já os maios-pequenos (Gynandriris sisyrinchium) e as campainhas-amarelas (Narcissus bulbocodium) atapetam o chão.

07
Mai13

Maios-pequenos

Arca de Darwin
Da mesma família dos lírios, os maios-pequenos (Gynandriris sisyrinchium) – também conhecidos por pés-de-burro – florescem entre Abril e Maio, no Centro e Sul do país. Como as  flores duram muito pouco tempo a planta aproveita ao máximo as horas do dia para atrair os polinizadores. Assim, também está aberta durante a noite, altura em que o contraste entre o azul e o branco das pétalas seduz os insectos nocturnos.

Maios-pequenos (Gynandriris sisyrinchium), Cabo Espichel, Sesimbra