Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Arca de Darwin

"Look deep into nature, and then you will understand everything better", Albert Einstein

"Look deep into nature, and then you will understand everything better", Albert Einstein

Arca de Darwin

19
Mai21

Ratinho-das-hortas ("Mus spretus") — o amigo dos sobreiros

Arca de Darwin

O outro micromamífero capturado durante a sessão em que participei no Bioblitz da Tapada, em Lisboa, foi o ratinho-das-hortas (Mus spretus), que também é conhecido por rato-das-hortas ou ratinho-ruivo.

Mus spretus 1.jpg

O ratinho-das-hortas tem o dorso acastanhado e o ventre cinzento-esbranquiçado. Os olhos e as orelhas são relativamente grandes. Mede entre 7 e 8,5 centímetros, pesa cerca de 14 gramas e vive até aos 15 meses.

Bioblitz tapada 1.jpg

Bioblitz tapada 2.jpg

Mus spretus 2.jpg

Este ser minúsculo e o majestoso sobreiro (Quercus suber) têm uma relação inesperadamente simbiótica. Os sobreiros não têm vida fácil na região mediterrânica. Em certas zonas, 100% das suas bolotas são predadas, inviabilizando a regeneração natural. Em Doñana, Espanha, estes frutos têm tantos clientes que quando caem no solo, cerca de 40% são levados nas primeiras 5 horas e 90% ao fim de uma semana, desaparecendo todos ao fim de 3 meses.

sobreiro.jpg

Na Península Ibérica, o ratinho-das-hortas, o rato-do-campo, o javali, o veado, o gaio e o esquilo-vermelho são os principais consumidores de bolotas de sobreiro na Península Ibérica. No entanto, só os roedores e a ave é que contribuem para a dispersão das sementes, dado que as armazenam para se poderem alimentar no Inverno. Algumas destas originam novos sobreiros.

Bioblitz tapada 3.jpg

Mus spretus 3.jpg

Outra curiosidade deste Mus spretus é a sua higiene esmerada: é a única espécie de ratos que remove os dejectos da toca e de locais de passagem.

Mus spretus 4.jpg

 

06
Ago19

Doninha ("Mustela nivalis") nos Moinhos do Pisão

Arca de Darwin

No sábado, com a serra da Arada ainda coberta pela neblina matinal, saí do recinto do Tradidanças e fui até ao Pisão que fica ali ao lado, a menos de 1 km. Parei junto a um dos moinhos, onde há 1 ano fotografara uma rã-ibérica durante uma das Viagens de Tradição e Natureza organizadas pelo festival. Ainda nem tinha retirado a máquina fotográfica da mochila quando uma doninha (Mustela nivalis) surgiu entre as ervas e parou a cerca de 2 metros de mim.

Irrequieta, mas nada incomodada com a minha presença, perscrutou o solo em volta como quem faz uma ronda, e logo desapareceu entre as ervas tão rápido quanto surgira.

É sempre bom passear pela Natureza, mas é ainda melhor quando se tem a sorte de encontrar um animal como este. Não é que a doninha seja uma espécie rara ou até ameaçada, mas claro que não é tão abundante quanto, por exemplo, a gaivota-cinzenta, e não é fácil de observar quer pelo seu comportamento quer pelo seu tamanho. De facto, a doninha é o mamífero carnívoro mais pequeno da Europa: as fêmeas medem entre 16 e 19 centímetros e pesam entre 40 e 90 gramas; os machos medem entre 18 e 27 centímetros e pesam entre 70 e 170 gramas.

A pelagem é castanha-avermelhada no dorso e branca no ventre. Pode ser confundida com o arminho (Mustela erminea), mas este é maior (30 a 40 cm), tem a ponta da cauda preta, e a linha entre o castanho do dorso e o branco do ventre é direita (e não irregular, como a da doninha).

A doninha alimenta-se de roedores e de coelhos que caça à noite e também durante o dia. Vive em zonas com campos agrícolas (onde existem os ratos de que se alimenta) e com muros e sebes (servem de abrigo e protecção).