Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Arca de Darwin

"Look deep into nature, and then you will understand everything better", Albert Einstein

"Look deep into nature, and then you will understand everything better", Albert Einstein

Arca de Darwin

21
Jun19

Está aí o Verão, na beira da estrada

Arca de Darwin

O Verão chega hoje, 21 de Junho de 2019 ― oficialmente, às 16h54. Embora o tempo ande cinzento, na beira da estrada aqui à porta de casa os malmequeres secos e as gramíneas encarnam a cor típica do Verão ― um dourado banhado com tons de castanho e de vermelho. Entre o dourado surgem alguns pontos de cores, também elas quentes ― como o vermelho das papoilas que ainda persistem ―, a evocar a Primavera que parte.

06
Abr19

Três espécies de papoilas

Arca de Darwin

Neste momento é possível ver (apesar da chuva) três espécies de papoilas no Jardim Rio da Costa, junto à ribeira, em Odivelas.

A mais abundante é a nossa já conhecida Papaver rhoeas, que dá pelo nome de papoila-vermelha, papoila-brava, papoila-das-searas, entre outros. Além da cor — vermelho vivo — distingue-se pela haste com pêlos perpendiculares e pelas pétalas com mancha negra na base.

No caso da Papaver dubium, conhecida por papoila-longa, os pêlos estão "colados" às hastes, o vermelho parece desbotado, e as pétalas não têm manchas negras. Estas duas espécies são autóctones, ou seja, são originárias do nosso país.

A terceira espécie, a Papaver setigerum, é "importada". Era/é considerada uma subespécie da Papaver somniferum, a papoila do ópio (que é branca), o que explica os seus nomes comuns: dormideira, dormideira-brava, dormideira-dos-jardins, dormideira-das-boticas. As pétalas são rosa-púrpura e têm uma mancha negra na base.

30
Mai13

Papoilas ondulantes

Arca de Darwin

Por esta altura um vermelho vibrante anima os prados campestres e as beiras das estradas e baldios das cidades. É como se fossemos uma miniatura diante dos gigantes pontos vermelhos de uma paisagem pincelada por um impressionista.

Papoila (Papaver rhoeas), Olival Basto, Odivelas

Em Portugal há seis espécies de papoilas. As aqui retratadas parecem pertencer à espécie Papaver rhoeas (agradeço que corrijam se estiver errado), conhecida por papoila, papoila-brava, papoila-das-searas, papoila-vermelha, papoula e papoula-vulgar.

A confusão de identidade surge com a Papaver dubium, mas, como me explicou o biólogo Paulo Pereira, “as folhas da P. dubium são mais agudas nos lobos e a cápsula da P. rhoeas é mais baixa do que a da P. dubium (o comprimento da da P. rhoeas não ultrapassa duas vezes a largura).

As infusões desta flor são há muito usadas para tratar vários males, como insónias e ansiedade.

Papoila, Azóia, Sesimbra