Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Arca de Darwin

"Look deep into nature, and then you will understand everything better", Albert Einstein

"Look deep into nature, and then you will understand everything better", Albert Einstein

Arca de Darwin

24
Out13

Estorninho-preto: o “sósia” do melro

Arca de Darwin
Nas cidades, onde é comum, geralmente forma pequenos bandos e vê-se sobretudo nos ramos das árvores mais altas ou nas antenas de televisão. No campo, junto a zonas cultivadas, aglomera-se em grupos de centenas ou milhares de indivíduos. 

Estorninho-preto (Sturnus unicolor), Cabo Espichel, Sesimbra

Parece um melro devido à plumagem preta e bico amarelo, mas o estorninho-preto (Sturnus unicolor) distingue-se por ser mais pequeno (mede cerca de 21 centímetros de comprimento, contra os 24 cm do melro), mais estridente, mais brilhante, e por ter uma postura mais vertical.

Estorninho-preto (Sturnus unicolor), Odivelas

Também podemos confundi-lo com o estorninho-malhado (Sturnus vulgaris), mas este só nos visita no Outono e no Inverno (o S. unicolor é residente) e, como o nome indica, tem o corpo pintalgado de manchas brancas.

Estorninho-preto (Sturnus unicolor), Parque das Conchas, Lisboa

Omnívoro – tal como nós –, alimenta-se de frutos, insectos e restos da alimentação humana.

Existe em Portugal, Espanha, França, Itália e Reino Unido (Gibraltar).

08
Out13

“Iluminar” – nova galeria em “Perspectivas”

Arca de Darwin
Espreite a nova galeria – “Iluminar” – em Perspectivas.Depois de fotografar o torcicolo fiquei à conversa no Parque das Conchas. Entretanto anoiteceu. Com Lua Nova, a única luz no parque vinha dos candeeiros. Folhas, azeitonas e até pessoas destacavam-se em contraluz. Quando incidia na água assemelhava-se a metal fundido – como a prata, o ouro, ou aquela liga estranha do filme Exterminador –, prestes a derreter folhas, ramos e penas.

07
Out13

O camuflado Torcicolo

Arca de Darwin
Por vezes temos satisfação de encontrar nos parques urbanos aves pouco comuns. Neste caso, o factor sorte também foi importante, já que o torcicolo (Jynx torquilla) é difícil de detectar devido ao padrão da plumagem que se confunde com as ervas secas e com os troncos das árvores. O canto ajuda a identificá-los, mas é mais exuberante na primavera. Encontrei este torcicolo ontem, no Parque das Conchas. Caso se trate de um indivíduo migrador, abandonará o país até ao final do mês.

Torcicolo (Jynx torquilla), Parque das Conchas, Lisboa

O torcicolo parece um passeriforme, mas pertence à família dos pica-paus. Mede cerca de 15 centímetros. 

Alimenta-se de formigas que encontra nos troncos das árvores, mas também faz incursões ao solo em busca de alimento.

O nome comum advém do modo como se defende: executa com o pescoço movimentos circulares e rápidos. 

Encontra-se em áreas arborizadas com clareiras, pomares e parques urbanos.

A plumagem com listas escuras (olhos, nuca, asas, cauda...) sobre fundo cinzento funciona como um perfeito camuflado.