Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Arca de Darwin

"Look deep into nature, and then you will understand everything better", Albert Einstein

"Look deep into nature, and then you will understand everything better", Albert Einstein

Arca de Darwin

19
Abr22

Toutinegra-de-cabeça-preta (“Sylvia melanocephala”)

Arca de Darwin

A toutinegra-de-cabeça-preta (Sylvia melanocephala) já apareceu por aqui em alguns posts (por exemplo, neste sobre a anilhagem científica e neste sobre as características desta espécie), mas não resisto a partilhar estas fotos que tirei no fim-de-semana passado e onde se pode ver toda a beleza (e atleticismo!) da espécie.

sylvia melanocephala 1.jpg

 

23
Jan19

Trigueirão ("Emberiza calandra")

Arca de Darwin

Como o nome e o bico grosso sugerem, o trigueirão (Emberiza calandra) consome principalmente sementes, mas quando tem crias também as alimenta com insectos. É castanho, estriado, e tem olhos pretos.

Este pássaro roliço parece gostar de pousar para a fotografia: as outras espécies pousadas no arame farpado à beira da estrada levantam voo assim que o carro se aproxima; o trigueirão, indolente, vai-se deixando estar.

Por cá, é residente, e é mais abundante nos campos abertos do sul do país. Também existe no resto da Europa, Norte de África e Ásia. Mede cerca de 18 centímetros. Não é uma espécie ameaçada.

05
Mar14

A pega-cotovia

Arca de Darwin

Em inglês dá pelo nome de "Magpie-lark" (Grallina cyanoleuca) o qual, traduzido para português, equivale a "Pega-cotovia". Este pássaro (família Passeriformes) pertence a uma das 200 espécies de aves capazes de cantar em dueto.

magpielark 1 (800x533)

Tal como o indivíduo da foto de cima, também o da foto em baixo é um macho. Distinguem-se das fêmeas por terem em volta do olho um círculo preto que se une por um risco à nuca. Também têm uma fila de "pestanas" brancas por baixo do olho.

magpielark 2 (800x533)

As fêmeas não têm esta fila branca e a mancha preta é vertical, e não comunica horizontalmente com a nuca.

magpielark 4 (800x533) magpielark 3 (800x533)

Alimenta-se de insectos que captura na vegetação rasteira ou na água. A presença desta é fundamental para a espécie, pois o casal constrói o ninho com lama.

magpielark 5 (800x533)

Mede cerca de 27 centímetros (mais ou menos o tamanho de um melro).

magpielark 8 (800x533)

É abundante em toda a Austrália.

magpielark 9 (800x533)

Há quem lhe chame "Peewee" ou "Peewit" devido a um dos sons que produz.

magpielark a 10 (800x533)

25
Jan14

Esplendoroso azul

Arca de Darwin

A ave que encontrei ontem, perto de Margaret River, Austrália, é certamente uma das mais belas que já vi. O nome científico - Malurus splendens - não engana: ela é mesmo esplendoroso. Quer dizer, "ela" não, "ele", já que apenas o macho apresenta os fantásticos tons de azul, e só na época de reprodução (o resto do ano ambos os sexos apresentam plumagem castanha).

Na foto em cima vê-se o macho a exibir as penas do pescoço. Das duas, uma: ou estava em plena parada nupcial, ou estava chateado por ser fotografado...

Alimenta-se principalmente de insectos, mas também ingere frutos e sementes.

É uma espécie "estranhamente" monogâmica, ou seja, o casal permanece junto, mas ambos os sexos vão dando facadinhas no matrimónio.

08
Abr12

Pássaros e Aves

Arca de Darwin

É frequente usar-se o termo “pássaros” para designar “aves”, o que não é correcto. Os pássaros, ou passeriformes, são a ordem com maior número de espécies e a mais diversificada da classe Aves. Todos os pássaros têm três dedos para a frente e um para trás, para se empoleirarem.

A esta ordem pertencem espécies como o corvo, que mede 65 centímetros de comprimento, e a carriça, com apenas 10 centímetros.

Uma das aves desta ordem é o fotogénico pisco-de-peito-ruivo (Erithacus rubecula) - na imagem. Os piscos passam o Inverno em Portugal e, no início da Primavera, rumam a climas mais frios. No entanto, no Norte do país, muitos indivíduos são residentes.

O pisco não apresenta dimorfismo sexual.