Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Arca de Darwin

"Look deep into nature, and then you will understand everything better", Albert Einstein

"Look deep into nature, and then you will understand everything better", Albert Einstein

Arca de Darwin

09
Out13

Surf – as melhores do mundo no Guincho

Arca de Darwin
Como prometido, volto a este assunto.Pratiquei alguns desportos e experimentei muitos outros. No topo da lista “por fazer” está o surf (talvez em 2014). A emoção e a adrenalina não são os únicos atractivos desta modalidade. Socorro-me das palavras do nadador Nuno Laurentino numa entrevista que lhe fiz há 4 anos sobre a sua paixão pelo surf, para um artigo sobre os benefícios para a saúde do contacto com a Natureza: “É uma terapia. É algo de que preciso para o meu equilíbrio (...). É um período de introspecção, só com as ondas e o mar, que dá para pensar em tudo”.

Posto isto, a EDP Cascais Girls Pro 2013 foi óptima oportunidade para ver as melhores surfistas do mundo. A principal acção decorreu, claro, dentro de água, mas houve muito para ver em terra: o aquecimento e a concentração das atletas; as conversas com treinadores, familiares e amigos; os autógrafos e sorrisos dispensados aos fãs, mesmo depois de uma eliminação; as paisagens do Guincho (última galeria).

Eis alguns momentos das oito finalistas (pela ordem que ocupam no ranking mundial da ASP – Association of Surfing Professionals:

Carissa Moore, #1, 21 anos, Hawai

[nggallery id=75]

Tyler Wright, #2, 19 anos, Austrália

[nggallery id=76]

Sally Fitzgibbons, #3, 22 anos, Austrália

[nggallery id=77]

Courtney Conlogue, #4, 21, Estados Unidos da América

 [nggallery id=78]

Coco Ho, #6, 22 anos, Hawai

 [nggallery id=79]

Bianca Buitendag, #8, 19 anos, África do Sul

[nggallery id=80]

Paige Hareb, #12, 23 anos, Nova Zelândia

 [nggallery id=81]

Sage Erickson, #14, 22 anos, Estados Unidos da América

[nggallery id=82]

“Paisagem”

[nggallery id=83]

05
Out13

Carissa Moore sagra-se campeã mundial de surf no Guincho

Arca de Darwin
Hoje, na Praia do Guincho, a surfista havaiana Carissa Moore sagrou-se campeã mundial na 8.ª e última etapa do circuito feminino - a EDP Cascais Girls Pro -, da qual foi também a vencedora. Voltarei ao assunto mais tarde, mas ficam algumas fotos de Carissa durante a prova e no momento em que celebrou a vitória no mundial.

30
Set13

Surf no Guincho (Allianz Cascais Pro)

Arca de Darwin
O destaque do fim-de-semana desportivo nacional vai inteirinho para dois portugueses que brilharam lá fora: Rui Costa, que venceu o Mundial de Ciclismo, em Florença, Itália; e João Sousa, que ao vencer na Malásia, em Kuala Lumpur, tornou-se o primeiro tenista português a ganhar um torneio do circuito ATP.Por cá, a 5.ª e última etapa da Liga Moche sagrou dois novos campeões nacionais de surf – Frederico Morais e Carina Duarte –, desporto que, como poucos, os humanos praticam em fluída harmonia com a Natureza.

Liga Moche. Allianz Cascais Pro. Setembro de 2013. Praia do Guincho

Eis algumas imagens do último dia desta competição:

[nggallery id=72]

09
Out12

Cresmina - Vida na areia

Arca de Darwin
Junto à Praia do Guincho, do outro lado da estrada, a recuperada Duna da Cresmina revela-nos a biodiversidade adaptada a viver na areia.

“O corredor eólico dunar Cresmina-Oitavos é um sistema bastante particular pois as areias provenientes das praias do Guincho e da Cresmina retorna ao mar mais a Sul (entre os Oitavos e a Guia), após migrar sobre a plataforma rochosa aplanada do Cabo Raso”, lê-se nos cartazes colocados nas duas entradas - uma no Centro Interpretativo, junto à estrada da Areia, e outra no lado oposto, junto à praia do Guincho.

Dos coelhos só vi as latrinas, e da víbora-cornuda apenas o graffiti (há vários a assinalar a presença de diferentes espécies),

mas cruzei-me com várias aves (toutinegra-de-cabeça-preta, rola-comum, fuínha-dos-juncos, rabirruivo-preto, chasco-cinzento) e insectos, como a borboleta-cauda-de-andorinha e a lagarta da borboleta nocturna Brithys crini (família Noctuidae), típica de zonas dunares, que se alimenta de lírio-das-areias.

Brythis crini

Na Duna, que integra a Rede de Visitação e Interpretação do Parque Natural de Sintra-Cascais, realizaram-se vários trabalhos de conservação, como a construção de passadiços, a remoção de espécies exóticas invasoras (chorão, erva-das-pampas, acácia) e plantação de mais de 13.000 exemplares de espécies autóctones (estorno, pinheiro, tamargueira-rosada, aroeira, sanguinho-das-sebes ), construção de vedações que impedem a entrada de carros, implantação de paliçadas para diminuir a velocidade do vento que destrói a Duna. Isto porque, desde 2005, as areias avançaram cerca de 10 metros por ano.

A visita faz-se percorrendo os mais de 2 km de passadiços, estruturas que evitam a destruição deste ecossistema delicado. Ao longo do caminho placas identificativas das diferentes espécies de plantas, colocadas junto dos respectivos espécimens, servem de guia aos visitantes.

Cardo-marítimo (Eryngium maritimum)

Estorno (Ammophila arenaria)

Lírio-das-areias (Pancratium maritimum)

Sabina-das-praias (Juniperus turbinata)

Raiz-divina (Armeria welwitschii)

Há sempre quem não respeite o trabalho dos outros e o património de todos.

 
07
Out12

Três à mistura

Arca de Darwin
Depois da “apresentação” do rabirruivo-preto (Phoenicurus ochrurus) macho, eis a fotografia da fêmea. Em geral a espécie é monogâmica, isto é, cada indivíduo tem apenas um parceiro sexual, mas por vezes um macho vive com duas fêmeas. A da foto parecia pouco satisfeita com a concorrência. Perseguiu a segunda fêmea insistentemente e assumiu pose territorial, cantando no cimo da rocha.

Rabirruivo-preto (fêmea)

No entanto, há alturas em que a presença de um terceiro elemento é bem-vinda. Um artigo publicado em 2011 na revista Ardea mostrou que 1/3 (4 em 12) dos casais de rabirruivos era assistido nos cuidados parentais por um terceiro indivíduo. A investigação decorreu no Tibete, a 4.300 metros de altitude. “O período de incubação e o tamanho das ninhadas destes rabirruivos que vivem nestas terras altas são semelhantes aos dos rabirruivos europeus, mas os do Tibete produzem ovos maiores e menos ninhadas. Tal sugere uma estratégia para maximizar a sobrevivência das crias neste ambiente severo”, explicam os autores.

Rabirruivo-preto (macho)

Sobre a identidade do terceiro elemento os investigadores referem que apresentava “plumagem tipo-fêmea”. No único caso em que determinaram o sexo do ajudante concluíram tratar-se de um macho juvenil.