Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Arca de Darwin

"Look deep into nature, and then you will understand everything better", Albert Einstein

"Look deep into nature, and then you will understand everything better", Albert Einstein

Arca de Darwin

12
Jun20

Natureza ilustrada no Trilho da Ribeira das Vinhas, em Cascais

Arca de Darwin

O trilho da Ribeira das Vinhas fica por trás do Mercado da Vila, em Cascais. Recuperado o ano passado, permite passear a pé ou de bicicleta ao longo de 3 quilómetros que atravessam zonas de pinhal, matos e hortas. Mas o que torna único este percurso são as dezenas de pinturas da autoria do artista Tiago Hacke — realizadas em pedras ou em caixas de visita do saneamento pluvial —, que retratam espécies animais existentes no concelho, algumas das quais podem ser observadas ao longo do trilho. Todas as fotos que se seguem foram tiradas no trilho.

Melro-preto (Turdus merula)

trilho das vinhas-59.jpg

Coelho-bravo (Oryctolagus cuniculus)

trilho das vinhas-6.jpg

trilho das vinhas-1-2.jpg

 

 

 

 

14
Fev19

Lusco-fusco na ribeira de Odivelas

Arca de Darwin

Antes de mais, a Arca deseja-lhe um feliz Dia dos Namorados!

Tirei estas fotos ontem, ao entardecer, no jardim Rio da Costa, em Odivelas. Os buldozers já fizeram a sua passagem anual pelo meio da ribeira, pelo que o cenário junto à água é maioritariamente desolador. Ao longo dos caminhos ainda se encontram motivos interessantes para fotografar.

18
Mai12

BOM BOM BOM, BY-I-YAH

Arca de Darwin

Lembro-me de, quando era miúdo, apanhar girinos num charco (o que não se deve fazer), colocá-los numa lata ferrugenta,  e acompanhar o seu desenvolvimento: primeiro eram uma bola com cauda, depois nasciam as perninhas traseiras, depois as dianteiras, e finalmente a cauda desaparecia.

Não sabia qual era espécie, nunca reparei que tinham um tímpano (a ‘bola’ atrás e ligeiramente abaixo do olho) e não me lembro de ver o saco vocal, mas provavelmente eram rãs-verdes (Rana perezi), o anfíbio mais abundante em Portugal, comum em charcos, lameiros, lagoas, ribeiros, albufeiras, etc..

Apesar do nome comum, algumas são de cor castanha, mais ou menos escura. A risca amarela ou esverdeada no dorso é característica desta espécie, embora esteja ausente em alguns indivíduos.

O coachar dos machos revela 5 cantos diferentes. Veja quantos ouve neste vídeo que filmei no jardim da Fundação Gulbenkian, em Lisboa.

http://www.youtube.com/watch?v=xNbwoOkzf3s&feature=youtu.be

Mais sobre mim

foto do autor

Siga-nos no Facebook

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D