Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Arca de Darwin

"Look deep into nature, and then you will understand everything better", Albert Einstein

"Look deep into nature, and then you will understand everything better", Albert Einstein

Arca de Darwin

10
Out12

“Nunca será cientista”, mas ganhou o Nobel

Arca de Darwin
O Prémio Nobel da Medicina 2012 foi atribuído esta segunda-feira ao médico japonês Shinya Yamanaka (50 anos), e ao biólogo britânico John Gurdon, 79 anos, “pela descoberta de que as células maduras podem ser reprogramadas para serem pluripotentes”. Yamanaka afirmou que receber este prémio só foi possível graças ao trabalho de Gurdon.

John Gurdon. Foto: Wellcome Library, London

De facto, Gurdon publicou em 1962 o trabalho que a academia sueca agora homenageia, mas realizou as experiências com células-tronco (por cá chamam-se “células estaminais”, devido à tradução errada de “stem” para “estame”) em 1958, com 25 anos. Uma década antes, tinha Gurdon 15 anos, o relatório escolar sobre o actual Nobel da Medicina 2012 afirmava: “Acho que Gurdon tenciona ser cientista; face à sua prestação actual isto é completamente ridículo; se ele nem consegue aprender factos biológicos básicos não terá qualquer possibilidade de realizar o trabalho de um especialista; seria uma perda de tempo, quer para ele, quer para quem tivesse de o ensinar”.

Relatório escolar de John Gurdon. Foto: John Gurdon

O relatório também referia: “Ele teve vários problemas porque não liga ao que lhe dizemos, e insiste em fazer as coisas à maneira dele”.Como escreveu Ralph Waldo Emerson em A confiança em si: “Acreditar no vosso próprio pensamento, crer que aquilo que é verdadeiro para vós, no fundo do coração, também o é para todos os homens – tal é a marca do génio”.
03
Set12

Uma pausa com...

Arca de Darwin
... RALPH WALDO EMERSON*“Para dizer a verdade, poucos adultos sabem ver a Natureza. A maioria não vê o Sol. Quando muito, têm uma visão muito superficial. O Sol não ilumina só o olhar do homem, também brilha no olhar e no coração da criança. O amante da Natureza é aquele cujas sensações exteriores estão ainda perfeitamente ajustadas umas às outras, aquele que guardou o espírito da infância mesmo na idade adulta. O seu realcionamento com o céu e terra tornou-se parte da sua alimentação quotidiana. Na presença da Natureza, um frémito selvagem de deleite percorre este homem, apesar dos desgostos que sofre. A Natureza afirma: ele é a minha criatura e, apesar de todas as suas tristezas importunas, regozijar-se-á na minha companhia”. 

in ensaio A Natureza

*poeta e ensaísta norte-americano (1803-1882)

27
Jul12

Plumas

Arca de Darwin

 “O que é uma erva daninha? Uma planta cujas virtudes ainda não foram descobertas”, escreveu Ralph Waldo Emerson. Ora, o Jardin Plume, em França, já descobriu. No Plume – eleito Jardim do Ano de 2008 pela revista britânica Gardens Illustrated – as gramíneas são o motivo principal e cada talhão é um quadro único e irrepetível. Vale a pena espreitar as galerias das diferentes estações do ano no site  www.lejardinplume.com.

(Tirei a foto em baixo no jardim da Fundação Gulbenkian).

 
27
Abr12

“O olho é o melhor dos artistas”

Arca de Darwin
130 anos sem Ralph Waldo Emerson (25/05/1803 – 27/04/1882).
“The ancient Greeks called the world {kosmos}, beauty. Such is the constitution of all things, or such the plastic power of the human eye, that the primary forms, as the sky, the mountain, the tree, the animal, give us a delight in and for themselves; a pleasure arising from outline, color, motion, and grouping. This seems partly owing to the eye itself. The eye is the best of artists”. “Os Gregos antigos chamavam ao mundo ‘cosmos’, beleza. Tal é a constituição de todas as coisas ou tal é o poder plástico dos olhos humanos, que as formas primárias como o céu, a montanha, a árvore, o animal, nos proporcionam um grande prazer em si e por si mesmos, um prazer que decorre do contorno, da cor, do movimento e das formas agrupadas em conjunto, o que parece ser devido, em parte, aos próprios olhos. O olho é o melhor dos artistas”.

Ralph Waldo Emerson, in “Nature”, 1836