Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Arca de Darwin

"Look deep into nature, and then you will understand everything better", Albert Einstein

"Look deep into nature, and then you will understand everything better", Albert Einstein

Arca de Darwin

24
Mar13

Serra do Risco – uma falésia com 381 metros

Arca de Darwin
Inserida na cordilheira da Arrábida, em Setúbal, a Serra do Risco possui a mais alta falésia marítima de Portugal Continental. Tanto quanto sei, a origem do nome não é clara: ou deve-se à linha (quase) direita que desenha no horizonte, ou ao “risco” a que o rei D. Afonso Henriques se sujeitou quando dividiu as suas tropas durante uma batalha.

22
Mar13

Orquídea-gigante

Arca de Darwin
O nome faz sentido no universo das orquídeas. A Barlia robertiana, conhecida por orquídea-grande ou orquídea-gigante, mede até 1 metro de altura, estatura muito superior, por exemplo, aos padronizados 15 a 20 centímetros do género Ophrys. Os insectos que seduz - abelhões das espécies Xylocopa violacea e Bombus hortorum - são, também eles, grandes. 

Orquídea-gigante (Barlia robertiana), Serra da Arrábida

Como é a primeira orquídea a florir em Portugal, é também das primeiras a murchar (esta que encontrei na Serra da Arrábida no início do mês já não estava grande forma), mas ainda se encontram exemplares engalanados até ao final de Março. 

Orquídea-gigante (Barlia robertiana), Serra da Arrábida

Habita em prados, clareiras de matos e bermas de estrada e prefere solos calcários.

Abelhões, Jardim da Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa

23
Nov12

Carvalho-português

Arca de Darwin
O carvalho-português Quercus faginea, também conhecido por carvalho-cerquinho, é uma árvore autóctone de Portugal, Espanha e Norte de África. Distingue-se pela copa abobada e folhas dentadas. Atinge 20 metros de altura, mas em solos pobres cresce pouco mais do que um arbusto.

Carvalho-cerquinho (Quercus faginea). Serra da Arrábida, Setúbal

Ocorre principalmente no Centro e Sul do país, onde forma povoamentos mistos com os carvalhos do Norte (carvalho-roble e carvalho-negral) e os do Sul (sobreiro e azinheira).

No Sul esta mistura é uma benção para os porcos criados em montado, pois as bolotas do faginea amadurecem antes das da azinheira, assegurando assim alimento aos animais.

A madeira é muito utilizada na construção, sob a forma de vigas.
08
Set12

Grito de revolta – o poeta que “fundou” a LPN

Arca de Darwin

Meu país desgraçado!... E no entanto há Sol a cada canto e não há Mar tão lindo noutro lado. Nem há Céu mais alegre do que o nosso, nem pássaros, nem águas ...

    Seria apenas mais uma relação entre um poeta e a sua musa, mas produziu algo mais: a paixão de Sebastião da Gama (1924-1952) pela Serra da Arrábida “fundou” a Liga para a Protecção da Natureza (LPN), em 1948.Um ano antes, confrontado com a destruição da Mata do Solitário, Gama escreveu a Miguel Neves, entomólogo da Direcção-Geral dos Serviços Agrícolas. A carta, em papel timbrado da “Pousada do Portinho da Arrábida – Telefone 607”, dizia:“Senhor Engenheiro Miguel NevesSocorro! Socorro! Socorro! O José Júlio da Costa começou (e já vai adiantada) a destruição de metade da Mata do Solitário que lhe pertence. Peço-lhe que o trave imediatamente. Se for necessário, restaure-se a pena de morte. SOCORRO!”Miguel Neves reencaminhou a carta para Baeta Neves, engenheiro silvicultor e assistente do ISA. “Este, aproveitando a realização do Congresso de Botânica Peninsular, noutra pérola do nosso património, a Serra do Gerês, desencadeou a luta apoiado pela fina flor dos cientistas e técnicos da altura – agrónomos, silvicultores, biólogos (botânicos e zoólogos) das Universidades e dos Serviços do Estado – e oficializou, em Junho de 1948, a associação Liga para a Protecção da Natureza”, conta Eugénio Sequeira, ex-presidente e actual vogal desta ONGA, no livro 60 Anos Pela Conservação da Natureza (2008).

 Gama, professor licenciado em Filologia Românica, ficou conhecido como o “poeta da Arrábida”. À sua musa dedicou o poema Serra Mãe. Eis um excerto:“O agoiro do bufo, nos penhascos, foi o sinal da paz.                                                          O Silêncio baixou do Céu,                                                                                                  Mesclou as cores todas o negrume,                                                                                            O folhado calou o seu perfume,                                                                                                      E a Serra adormeceu”.

19
Jun12

Esteva, Sargaço e Roselha

Arca de Darwin
Maio e Junho é a altura de floração destas três espécies do género Cistus: Cistus ladanifer (esteva), Cistus monspeliensis (sargaço) e Cistus crispus (roselha).Fotos tiradas na serra da Arrábida, Setúbal. 

Roselha (até 80 centímetros de altura).

Sargaço (até 1 metro de altura).

 Esteva (até 2,5 metros de altura).

Mais sobre mim

foto do autor

Siga-nos no Facebook

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D